Dica de Filme: Amor & Inocência

famosas, e uma delas chamada “Orgulho & Preconceito”, meu livro favorito, surgiu de inspiração através de um breve romance de Austen com Tom Lefroy.  Embora o filme “Amor & Inocência" retrate um amor profundo e duradouro vivido entre Jane e Tom, não há provas claras de que esse amor existiu entre eles”.


Sinopse:  Jane Austen (Anne Hathaway)tem 20 anos e começa a se destacar como uma escritora. Enquanto ela está mais interessada em desvendar o mundo, seus pais querem que ela logo se case com um homem rico, que possa assegurar seu status perante a sociedade. O principal candidato é o sr. Wisley (Laurence Fox), neto da aristocrata Lady Gresham (Maggie Smith), mas Jane se interessa é pelo malandro Tom Lefroy (James McAvoy), cuja inteligência e arrogância a provocam.


Quando assisti a este filme eu queria um final feliz, mesmo sabendo que não viria, já que Jane nunca se casou, ela e sua irmã Cassandra Austen, que aparece no filme, nunca se casaram Cassandra que perdeu seu noivo, e Jane cuja vida sentimental nunca foi aprofundada, mas neste filme mostra que sim, ela amou o que me surpreendeu, por que amo suas obras, mas pouco sabia sobre sua vida pessoal. Mas então vimos neste filme basicamente o que Jane retrata em seus livros, ela é um das mais importantes escritoras da língua inglesa, e em seus romances ela mostra uma visão critica de uma sociedade que coloca na frente do amor várias complicações. E uma dessas que separam Tom de Jane, o fato de ele não ter uma vida financeira suficientemente boa para pedir sua mão em casamento. E jane descobre que não se pode casar por amor, ao menos pode se realizar em seus sonhos e escrita, Tom Lefroy, foi a inspiração para um dos meus personagens favoritos, “Mr. Darcy. E me pergunto se ele realmente lembra os traços do Senhor Darcy, pena que ainda não inventaram uma maquina do tempo.

“Amor & Inocência”, e um filme que recomendo para todos que sejam fãs ou admiradores do trabalho de Jane, Anne Hathaway esta perfeito com Jane Austen. O filme mostra muito também sobre a transformação de Austen, sua paixão, sua decepção e sua renúncia. E nisso ele é belo. Esta obra cinematografia da vida de Jane Austen foi direta para as locadoras em seu lançamento no Brasil, o que novamente acho uma pena, mas isso não quer dizer que o filme deva ser esquecido. Pois é um filme de valores, fugindo da mesmice que assistimos atualmente, algo assim não merece ser descartado.


Esta e a minha dica para a sua sexta á noite, mesmo aqueles que não sabem quem é Jane Austen, passam a conhecer, e para os que já adoram as obras dela, e indispensável.


Tom Lefroy deu o nome de sua filha de Jane. Em seus últimos dias ele admitiu a um sobrinho ter amado Jane, embora tenha dito ser um amor de menino. Em um trecho de uma carta escrita pelo sobrinho de Lefroy ele diz:


“Meu falecido e venerado tio… disse em tantas palavras que ele estava apaixonado por ela, embora amenizasse sua confissão, dizendo que era um amor de menino. Como isso ocorreu em uma conversa amigável e privada, sinto-me em dúvida se devo torná-lo público.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário