[Resenha] As Vantagens de ser Invisível - Stephen Chbosky

Quando comprei o livro "As Vantagens de Ser Invisível", confesso que foi por que tinha visto o trailer do filme que tinha sido uma adaptação do livro de Stephen Chbosky, e porque amar os filme da Emma Watson, decidi que leria o livro antes de poder assistir ao filme. De início acreditei se tratar de um livro minimo sobre adolescente e suas crises, mas me surpreendi completamente logo na primeira página do livro.

Quando os pensamentos de Charlie ganharam um sentido tão grande dentro de mim, que me identifiquei completamente com ele, ele não é um típico adolescente popular, ele na verdade é solitário e com uma visão do mundo um pouco complexa. Sem amigos ou grandes emoções na vida, no livro ele narra sua vida como se estivesse escrevendo uma carta para um amigo anônimo. No começo seu dia-a-dia e parado e sem grandes expectativas de mudanças, mas, ao mesmo tempo, suas cartas são recheadas de pequenos acontecimentos, uma visão inocente de assuntos da vida de Charlie, mas tudo muda quando as aulas começam e ele conhece Sam e Patrick, que o recebem em seu mundo particular.

Eles podem até não compreender com Charlie pensa, mas com certeza são responsáveis por fazê-lo crer em si mesmo, já que no início do livro e clara a insegurança dele quando a ter amigos, o que as vezes me irritou o fato dele deixar de ser ele mesmo para satisfazer os amigos, com a paixão que ele cria pela Sam e não tem coragem de dizer.

As vantagens de ser invisível e tocante, gostoso de ler e traz assuntos polêmicos, com abuso, violência, homossexualismo e suicídios com tanta força e clareza e a mesmo tempo tem uma suavidade.E isso que torna a escrita de Stephen Chbosky emocionante e com certeza ganhou minha admiração quando a este escritor maravilhoso.


O filme foi ainda mais perfeito, soube ser fiel ao livro, já que o escritor Stephen foi o diretor do longa. E Logan Lerman soube ser o Charlie que vendo o filme não consegui imaginar outra pessoa interpretando ele. O filme ainda conta com Emma Watson (Sam) e Ezra Miller (Com Patrick, que alias amei completamente sua interpretação, mudou bastante a minha visão dele com ator, já que antes tinha visto "Precisamos falar sobre Kevin" um personagem um tanto que pesado, e neste filme ele soube ser cômico, amei). 

"Eu sei que tem pessoas que dizem que essas coisas não acontecem, e que isso serão apenas histórias um dia. Mas agora nós estamos vivos. E nesse momento, eu juro. Nós somos infinitos."




Nenhum comentário:

Postar um comentário